Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fantasias no Reino da Lollipop

Fantasias no Reino da Lollipop

Desafio dos Pássaros _ "Foi o que ouvi"

Há 22 anos atrás, eu moçoila felizmente grávida de primeira viagem, preparei-me para receber o meu primogénito com tudo a que ele tinha direito.

Não falo do básico, berços, roupas, chuchas, esterilizadores, mas de toda e qualquer literatura que versasse sobre o assunto para fazer o devido acompanhamento da minha cria mor.

Fiz-me assinante de diversas revistas, criei uma biblioteca temática, falei com tudo o que foi gente que me pudesse transmitir os seus sábios e mais experientes conselhos.

E chegou o meu pequeno príncipe com toda a pompa e circunstância, que logo teve a primeira desilusão da vida dele ao não ter leite para mamar, pois não havia maneira de subir tal como dizem.

De biberão em riste, sorvia cada gota sofregamente até nada mais restar, e assim continuou pois cedo descobriu ser muito mais fácil chupar da tetina do que da mamita.

Era um verdadeiro anjinho rechonchudo que ao contrário do que tinha ouvido dizer, dormia placidamente a noite inteira.

Esta mãe sempre atenta, e crente na sabedoria popular, punha religiosamente o despertador a tocar de 3 e 3 horas para  lhe enfiar o biberão goela abaixo, que ele embora continuasse a dormir não se fazia de rogado.

E assim continuou por 1 mês, e outro mês, e mais outro mês, até que perguntei à pediatra até quando teria que alimentar a cria de 3 em 3 horas.

- É ele que acorda a chorar com fome? – perguntou a pediatra

- Não… ele dorme a noite inteira, o despertador toca, agarro nele, dou-lhe o biberão, bebe-o todo e continua a dormir….

- Vou-lhe passar uma receita infalível que vai solucionar tudo, mas só a lê quando chegar a casa.

E dizia a bendita da receita o seguinte “ Agora que está em casa, agarre nos livros todos que comprou e livre-se deles, cancele as assinaturas de todas as revistas e esqueça tudo o que ouviu dizer. Se ele tiver fome durante a noite vocês então vão ouvir”

 

Desafio da Caixa de Lápis de Cor #13 #Branco

E eis-nos chegados à reta final deste colorido desafio que tão boas recordações nos avivaram a memória numa paleta de cores diversificadas.

Vamos cortar a meta em tons de branco, cor da pureza, da tranquilidade, da serenidade e da paz.

Pomba branca, pomba branca, já perdi o teu voar, naquela terra distante, toda coberta plo mar…

Na minha caixinha mágica de memórias, o branco remete-me também para uma terra distante, onde vivi com toda a intensidade e magia o meu verdadeiro White Christmas.

No fulgor dos bons velhos anos 80 as nossas férias eram passadas em família e com amigos em Benidorm, terra de calor e de loucura sem igual, onde se fazia tudo menos dormir.

Foi por lá que me encantei com os 2 metros de altura do meu holandês voador e que tivemos aquele amor de verão inesquecível, perpetuado durante o resto do ano em trocas amorosas de resmas de cartas.

No ano seguinte de novo nos encontrámos no sítio do crime, desta vez ele arrastou para lá a família que logo se entendeu às mil maravilhas com a minha, de tal modo que, passados 2 meses vieram cá todos passar uma fantástica temporada, tendo ficado assente desde logo que o Natal seria passado na casa deles.

E eis que chegada a altura, recebi de presente um casaco branco mais quente que a pele de um urso polar, e umas botas brancas que encheram de vaidade.

Quando aterrámos, o tempo desiludiu-me, pois era de noite e chovia copiosamente.

De manhã, fui acordada com algo a bater na janela. Eram bolas de neve que estavam a atirar contra a janela depois de, milagrosamente ter nevado a noite inteira.

Foi o Natal branco da minha vida, com direito a passeios por paisagens brancas, brincadeiras no meio da neve, bonecos de neve vestidos a rigor, lutas de bolas de neve e noites passadas ao som do Last Christmas.

Este romance ainda durou uns meses, mas derreteu como uma bola de neve quando ele decidiu pespegar-se cá em casa e por cá ficar para o que desse e viesse.

Passámos anos sem saber um do outro, até que fui descoberta nas redes sociais

Veio cá há 2 anos atrás e foi delicioso rever um dos meus grandes amores de verão que afinal não passava disso mesmo, mas que continuava divertido e encantador tal como me lembrava, embora tivesse perdido a sua farta cabeleira que tanto me encantava.

HOL.jpg

https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/desafio-vamos-pintar-com-palavras

Neste desafio participo eu, a Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue , ,José da Xá ,  João-Afonso Machado , amarquesademarvila  , https://acordaescrita.blogs.sapo.pt/, https://ladosab.blogs.sapo.pt/

A Fuga do "E" #os desafios da Abelha

Novo Desafio da nossa abelhinha mais querida desta blogosfera, este verdadeiramente desafiante : Escrever um texto sem uma única palavra "E".... O texto "deveria" ter o máximo de 100 palavras, mas rebelde como sou, excedi o número.... mas achei que estava tão fixe (gaba-te cesta que amanhã vais à vindima) que decidi não cortar nada. Sorry abelhinha. Não te zangues comigo.

Aqui vos deixo o link para que todos vocês que por aí pululam com essa mentes fervilhantes de ideias geniais,  entrem neste desafio onde a  diversão está garantida.

https://anadedeus.blogs.sapo.pt/

 

"Como todos os dias, os alunos cantarolavam a uma só voz a cantiga das vogais.

Mas agora a cantiga não foi igual. Havia algo muitíssimo invulgar.

- a, i, o, u… !!! – a,i, o, u … !!!! – a,i,o,u…!!!

Faltava uma vogal ! Sumira uma vogal como num ato mágico.

Os alunos assustados clamaram por auxílio da instruidora a qual panicou  gritando para  todos avisar.

Súbito, uma carta voou para o chão da aula trazida no bico duma rola luminosa.

A vogal sumida para não mais afligir os alunos, mandou uma justificação para a sua fuga .

Tirara uns dias para folgar, com o cansaço com tamanho abuso como vogal mais utilizada para ligação, conjugação, apuração ou adição.

Os alunos acalmaram com a justificação, votaram por maioria a favor da folga para todas as vogais uma a uma , com o compromisso da volta da vogal agitadora."

 

Vou desafiar os do costume :

Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Cristina Aveiro, a bii yue , ,https://ladosab.blogs.sapo.pt/ , João-Afonso Machado , amarquesademarvila  , https://acordaescrita.blogs.sapo.pt/

 

Desafio da Caixa de Lápis de Cor #12 #Castanho escuro

Semana para dissertar sobre o castanho escuro…castanho escuro em plena Primavera?

Castanho escuro remete para os dias de Outono que desejamos ver, por agora, muito longe….

Castanho escuro sempre presente nas minhas botas, castanho escuro na lenha para a lareira que conforta os nossos serões, castanho escuro nos paus de canela com que eu gosto de mexer o meu café castanho escuro, castanho escuro nas castanhas fumegantes, prenúncio do final do bom tempo.

Naquele final de Verão, a quinta do Tio Manuel resplandescia de cor com a diversidade de frutos que cresciam a bom ritmo nas suas árvores cuidadas com todo o amor e carinho.

Tinha um enorme orgulho no seu souto onde dos frondosos castanheiros pendiam cachos de ouriços, dos quais já se vislumbravam as belas das castanhinhas que iriam ser as rainhas do magusto, ponto alto da vila, onde todos se reuniam em alegre confraternização à volta do madeiro.

E um por um todos os ouriços foram abrindo e libertando castanhas grandes e saborosas, prometendo a melhor colheita dos últimos tempos.

Todos menos um ouriço que se mantinha teimosamente fechado, agarrando nas suas entranhas aquela castanha da qual não se conseguia libertar.

No almoço domingueiro de família habitual na quinta do Tio Manuel, Ritinha a sua neta de lindos olhos castanhos escuro corria deliciada brincando entre as árvores e admirando os frutos que ela fazia questão em acompanhar o seu crescimento.

Quando os seus olhos pousaram sobre o ouriço teimoso, começou a entoar com a sua doce voz “ Ouriço ouricinho não sejas teimosinho. Atira para o meu colinho essa bela castanhinha”.

E de repente, como num passe de magia, o ouriço abriu-se num bocejo inesperado, libertando a maior castanha que Ritinha que os grandes olhos de Ritinha  já viram.

Feliz, aninhou a bela da castanha nas suas mãos bojudas e correu para o colo do avô Manuel que lhe disse para com ela ficar.

E foi assim que aquela bela castanha de cor tão castanha escura se tornou gurdiã dos sonhos de Ritinha na sua mesa de cabeceira.

Todas as quartas feiras  publicamos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio no blogue da Fátima

https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/desafio-vamos-pintar-com-palavras

Neste desafio participo eu, a Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue , ,José da Xá ,  João-Afonso Machado , amarquesademarvila  , https://acordaescrita.blogs.sapo.pt/

 

Desafio da Caixa de Lápis de Cor #11 #Vermelho

Vermelho, Vermelhaço, Vermelhusco, Vermelhante, Vermelhão.

Meu coração é Vermelho, De Vermelho vive o coração, Tudo é garantido após o sol Vermelhecer.

E é tão isto…. As vezes que vermelhei ao som desta vermelhidade qual papoila (vermelha) saltitante, relembrando as alegres peregrinações com o meu Pai ao Glorioso Estádio da Luz e bem mais tarde, em família, com os meus vermelhusquinhos.

Mas há mais vermelho que salpica a minha vida, começando pela época natalícia (mais vermelho que esta época não há), em que pela mão da minha querida mãe, calcorreavamos a Baixa Pombalina de ponta a ponta em busca dos barbudos e gorduchos Pais Natais  nos seus trenós e com as suas renas para as fotografias da praxe, tradição que mantive com o meu filho mais velho que também adorava, e em que apenas fui bem sucedida nesta demanda com a mais nova nos seus primeiros anos de vida…....

Vermelho também das cerejas que sempre comi até ficar a rolar com dores de barriga, e das fatias enormes das melancias sumarentas  que ia comer para o portão da casa dos meus pais, provocando grandes birras à miúda da casa em frente.

Vermelho das joaninhas pintarolas que eu caçava para lhes cantar “ voa voa joaninha que o teu pai foi a Lisboa” , e da sua história que escrevi que um dia destes vos contarei.

Vermelho das minhas galochas que em miúda me enchiam de contentamento nos dias de chuva ao chapinhar em todas as poças de água que encontrava pela frente e que passados tantos anos finalmente consegui encontrar umas exatamente iguais, que agora não largo mal veja umas pinguinhas a cair para de novo ir chapinhar em todas as poças de água.

Galochas.jpg

Todas as quartas feiras e durante 12 semanas publicamos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio no blogue da Fátima

https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/desafio-vamos-pintar-com-palavras

Neste desafio participo eu, a Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue , ,José da Xá ,  João-Afonso Machado , amarquesademarvila  , https://acordaescrita.blogs.sapo.pt/

 

Desafio da Caixa de Lápis de Cor #10 #Verde Claro

A cor desta semana é o verde água, verde claro, a remeter para a Primavera com os seus campos verdejantes e para a Esperança de que tudo fique bem.

Verdes são os campos da cor de limão, assim são os olhos do meu coração, Verde que te quero verde, verde vento , verdes ramas.

Viajei de imediato para a Ilha Esmeralda, assim denominada a Irlanda pela sua paisagem constantemente verdejante, mercê das chuvas e neblinas frequentes, verde o símbolo do nacionalismo irlandês com origem na cor verde das fardas dos soldados na Rebelião Irlandesa de 1798, onde não existem cobras, pois foram expulsas e para sempre banidas pelo seu padroeiro, St Patrick, que explicou a Santíssima Trindade aos pagãos celtas com trevos de 3 folhas, e que leva no dia 17 de Março, a que uma multidão de verde trajada invada as ruas em alegres desfiles, de cerveja Guiness na mão.

A minha veia mística relembra-me os pequeninos seres mágicos sapateiros no reino das fadas, os duendes rezingões que moram em casas nas raízes das árvores das florestas, se escondem entre as folhas das árvores e no meio das folhas dos arbustos ocupados a fazer sapatos e que guardam ferozmente o pote com moedas de ouro no final do arco íris.

A minha veia nostálgica remete-me para uma década atrás, onde, no âmbito da disciplina de francês ajudei o meu filho a fazer um chapéu em tons de verde (esperança) e amarelo (sabedoria)  para a comemoração do dia das “Catherinettes”, a 25 de Novembro, em honra de Santa Catarina,  padroeira das raparigas solteiras (Les Catherinettes), onde anualmente as raparigas com mais de 25 anos renovam o chapéu de Santa Catarina e saiem em procissão na esperança de encontrar um marido, num desfile de chapéus em verde e amarelo.

chapeu.jpg

Todas as quartas feiras e durante 12 semanas publicamos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio no blogue da Fátima

https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/desafio-vamos-pintar-com-palavras

Neste desafio participo eu, a Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue , ,José da Xá ,  João-Afonso Machado e amarquesademarvila 

Era uma Vez... #Os Desafios da Abelha

"Era uma Vez uma mulher que quando acordou do coma só Miava..."

Mia crescera com o estigma do seu nome que odiava pois era alvo das piadas dos seus amigos que insistentemente repetiam “Mia, porque não mias”.

De dia, tentava não tropeçar nos gatos que ronronavam no seu quintal, espreguiçando-se preguiçosamente sob os raios do sol, os mesmos que à noite competiam em serenatas de miados debaixo da sua janela.

Naquele dia em que amanhava umas belas postas de pescada, foi atender a vizinha que lhe tocara à porta a pedir um raminho de salsa, e quando voltou, tinha a cozinha cheia de gatos que saltaram pela janela para lhe roubarem o peixe.

A vociferar, de vassoura na mão, iniciou uma corrida em barda atrás dos gatos ladrões.

Escorregou num ramo de salsa que deixara cair sem querer, bateu com a cabeça no chão e foi para o hospital em coma.

Quando acordou do coma só miava para espanto geral.

Chamaram a curandeira lá da terra que logo descobriu que tinha sido alvo de mau olhado da vizinha a quem dava salsa.

Depois de umas rezas, umas mezinhas e uns pós de pirlimpimpim, Mia deixou finalmente de miar, passando a divertir-se com a sua vizinha que de um momento para o outro passou a zurrar.

Conto no âmbito de "Os Desafios da Abelha" no blogue

https://anadedeus.blogs.sapo.pt/

https://anadedeus.blogs.sapo.pt/era-uma-vez-uma-mulher-que-quando-28689

 

 

Desafio da Caixa de Lápis de Cor #9 #Amarelo

Amarelo é alegria, é ânimo, é festa e festival, é a vida radiosa em todo o seu esplendor.

Amarelo dos raios brilhantes do sol que nos aquecem a alma e dão ânimo e alegria fazendo rodopiar os girassóis que fizeram parte do meu ramo de noiva em conjunto com as margaridas amarelas que também foram bordadas no meu vestido de noiva, amarelo dos limões que colhia do limoeiro que vi crescer no quintal dos meus pais, e que alegremente trepávamos nos seus galhos para os colher e transformar em litros de limonadas que refrescavam as quentes tardes de Verão da grupeta.

Amarelo dos pintainhos que nasciam sem qualquer aviso, dos patinhos que os meus pais compravam nas manhãs de Sábado no Mercado da Ribeira e que eu corria atrás deles para lhes colocar lacinhos coloridos.

Amarelo das amarguinhas que vestiam os campos que atravessávamos em bando a caminho da escola e que sugávamos entre esgares de prazer e de amargor numa alegre pangaida cantando a plenos pulmões We all live in a yellow submarine, a yellow submarine, a yellow submarine.

Amarelo do Woodstock, o passaroco que em pensamentos diz tudo aquilo que nós também gostaríamos de dizer mas que guardamos para nós, amarelo do Sítio do Picapau Amarelo que encantou toda uma geração e que tanta saudade deixou com a boneca Emília e o seu cabelo amarelo esfarrapado, amarelo do Tweety, o canarinho amarelo que estava sempre a ver um lindo gatinho.

Amarelo das paredes da minha sala e dos muros do meu quintal, onde num dia de inspiração pintei um sol amarelo, amarelo no quadro de um pintor de rua que no Brasil nos encantou, amarelo nas minhas orquídeas que de novo estão a desabrochar em todo o seu esplendor, amarelo do vestido que por acaso hoje vesti.

Se toda a gente gostasse do amarelo como eu gosto ….

AMARELO.jpg

Todas as quartas feiras e durante 12 semanas publicamos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio no blogue da Fátima

https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/desafio-vamos-pintar-com-palavras

Neste desafio participo eu, a Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue , ,José da Xá ,  João-Afonso Machado e amarquesademarvila 

 

Desafio da Caixa de Lápis de Cor #8 #Rosa

Esta semana no Desafio da Caixa dos lápis de cor, vamos pintar as palavras de cor de rosa, cor da ternura, do amor, da inocência, do romance e das histórias cor de rosa.

"Rino era um rinoceronte que vivia há muito tempo no jardim Zoológico, diferente de todos os outros pela sua pele em tons de rosa.

Levava uma vida calma e pachorrenta entre as suas sestas prolongadas e os seus grandes banhos na água lamacenta.

Fazia grandes banquetes com as ervas e as folhas que lhe davam para comer e que fazia questão de as mastigar demoradamente prolongando as suas refeições num ritual cheio de prazer e de satisfação.

Fez grandes amizades com pássaros coloridos de todas as espécies que o visitavam durante o dia animando-o ao som dos seus alegres chilreios e lhe provocavam fortes gargalhadas com as cócegas que sentia quando eles lhe debicavam das suas costas rosadas os incómodos insectos que teimavam em picá-lo o dia inteiro.

Mas Rino começou a sentir-se sozinho, principalmente à noite, quando os seus amigos passarinhos iam dormir. E começou a ficar muito triste. Tão triste que já nem as crianças para quem ele gostava tanto de olhar e de lhes acenar com a pesada cabeça, lhe alegravam. Até a sua pele rosada começou a esmorecer.

Mas um dia em que dava mais um mergulho na lama, um barulho esquisito fê-lo olhar para o céu. Viu um grande caixote cor de rosa a descer por uma grossa corda de um helicóptero.

Quando o caixote cor de rosa aterrou, Rino aproximou-se com muito cuidado. De repente, o caixote abriu-se e de lá de dentro, saiu a mais bela rinoceronte cor de rosa que ele já vira, com um grande laço cor-de-rosa a enfeitar-lhe o grosso pescoço.

Começou a cheirá-la, e logo começaram a roçar os seus chifres rosados. Primeiro devagarinho, e depois furiosamente. Nesse momento, teve a certeza de que esta era a rinoceronte da vida dele.

Decidiram então fazer uma grande festa em tons de rosa para celebrar o seu casamento, para a qual foram convidados todos os animais do Jardim Zoológico, que trouxeram rosas cor de rosa, gomas, chupas, balões, papelinhos e serpentinas tudo em tons de rosa, apadrinhados pelo casal de flamingos mais rosa que já se vira.

E viveram felizes uma longa história cor de rosa, em alegres brincadeiras no meio da lama com os rinocerontezinhos de pele rosada."

 

Todas as quartas feiras e durante 12 semanas publicamos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio no blogue da Fátima

https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/desafio-vamos-pintar-com-palavras

Neste desafio participo eu, a Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue , José da Xá , João-Afonso Machado e amarquesademarvila

 

Desafio da Caixa de Lápis de Cor #7 #Azul Claro

Esta semana vamos pintar as letras em tons de azul claro, cor da calma, da quietude, do relaxamento, da divagação, da serenidade, da tranquilidade, da suavidade, do espírito e da devoção, mas também da melancolia e da tristeza.

Desde as segundas feiras mais tristes do ano, as apelidadas de Blue Monday, que os New Order nos puseram a dançar frenéticamente, ao compasso entoado em coro do refrão de Song Sung Blue do saudoso Neil Diamond, à Blue Jean de Bowie do eterno olho azul, aos Blues em geral, em notas cantadas num timbre arrastado num som triste e melancólico,  a quando Elton John tentou adivinhar why they call it the blues  e que todos sonhavamos com o seu  Baby que tinha blue eyes, like a deep blue sea, on a blue, blue day e que tanto sofremos com o amor impossível espelhado no olhar  azul tão claro da soldada russa, Nikita.

Né Ladeiras levou-o no seu sonho Azul, Azul, Azul da cor do céu, os Delfins clamaram que a Cor Azul vai-nos salvar, quero ver o teu olhar azul a brilhar no meu caminho, para Djavan o amor é azulzinho, foi sem mais nem menos que os Trovante selaram a 125 Azul, e os Rádio Macau tentaram mandar pintar o céu em tons de azul, mas só depois notaram que Azul já ele era.

Estava eu a divagar sobre como pintar as letras em tons de azul claro, recostada numa cadeira azul a olhar o infinito do mar azul onde saltavam golfinhos por cima de uma baleia azul, com o meu bloco de notas de capa azul, qual Marlene Dietrich no Anjo Azul, com uma campânula azul a prender o cabelo, a ouvir a banda sonora do Veludo Azul, com um copo de Blue sapphire, o pensamento a vaguear rumo ao céu tão azul, coberto de bandos de andorinhas azuis, quando despertei deste sonho azul com os trinados desafinados do meu periquito azul.

Piriquito.jpg

Todas as quartas feiras e durante 12 semanas publicamos um texto novo inspirado nas cores dos lápis da caixa que dá nome ao desafio no blogue da Fátima

https://porqueeuposso.blogs.sapo.pt/desafio-vamos-pintar-com-palavras

Neste desafio participo eu, a Fátima Bento, Concha, A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D., a Célia, a Charneca Em Flor,  a Gorduchita,  a Ana Mestre, a Ana de Deus, a Cristina Aveiro, a bii yue , José da Xá e João-Afonso Machado.